Problemas de fornecedores de internet em Portugal e maneiras legais de evitá-los

Você pode ir a qualquer lugar (tribunal ou órgão regulador) legalmente para reclamar sobre não receber o que pagou e, obviamente, terá um suporte legal até mesmo ao ponto de obter um reembolso, embora isso aconteça em uma ocasião muito rara.

Comunicar e ligar-se através da internet independentemente do sítio onde se encontram, sempre foi uma das maiores prioridades de expatriados. Nesta era moderna, é conhecido que a ligação à internet é muito importante, de tal maneira que muitas pessoas se sintam desconfortáveis quando experienciam uma má ligação à internet. Portugal, sendo um país importante na Europa tem muitos utilizadores de internet que têm subscrições com diferentes fornecedores de internet. É claro que não é possível subscrever a um pacote de internet, em Portugal, sem ser um residente. O pacote de internet ou subscrição em Portugal funciona mais como um contrato, o que leva à frustração de muitos expatriados com problemas sérios.

A ligação à internet em Portugal pode ser um problema e às vezes chega a ser má, apesar de variar mediante a área ou casa onde vive. Para aqueles que vivem em grandes cidades como Lisboa ou Porto, poderão experienciar um pouco de boa ligação à internet, mas que pode ser terrível quando precisar mais dela. Quando falámos com um expatriado em Lisboa, ele disse “Eu assinei um contrato de um ano com um fornecedor de internet, mas a internet não é boa e não consegui uma única vez usufruir daquilo que eu paguei, Contactei o fornecedor de internet para me ajudar com a minha ligação, tudo o que tive na resposta foi que eu tinha a subscrição mais elevada e asseguraram-me que a ligação estava a chegar em breve, mas mesmo assim as coisas não mudaram”. Ele pediu por uma via legal de maneira a saber se podia trocar de companhia fornecedora de internet, mesmo depois de assinar o contrato com uma. Se está na mesma situação que este expatriado em Portugal, o próximo parágrafo é para si.

A ligação à internet em Portugal é muito importante e é sempre feita conjuntamente com a conta do banco, isto é uma indicação que os fornecedores de internet tem acesso aos pagamentos caso o contrato ainda esteja válido. Caso aconteça que insista em mudar de subscrição para um melhor fornecedor de internet, deve contactar o seu fornecedor de internet por escrito dizendo que não quer continuar com a subscrição deles, e que realmente é má. Siga a maneira legal e apropriada de fazer isto. Pode dirigir-se a qualquer lado ( tribunal ou entidade reguladora) para poder queixar-se legalmente sobre não ter aquilo que foi pago, pelo que terá um fundamento legal podendo chegar ao ponto de obter um reembolso, o que ocorre em raras ocasiões. A maneira mais simples de fazer isto é cancelando os pagamento reemitidos ao fornecedor de internet, cancelar o contrato e a ligação, e então pode seguir e mudar para um melhor fornecedor de rede.

Mas nem sempre você tem de perder aquilo que pagou. A maior parte dos bancos portugueses, com uma simples chamada para a linha de apoio do banco, pode cancelar os débitos diretos dos últimos três meses e então o dinheiro já não está mais perdido, porque o banco credita o dinheiro na sua conta rapidamente. Está no lado do operador para reagir contra o cliente que retirou o dinheiro. Mas caso tenho sido enviada uma carta para o fornecedor de rede a dizer que a ligação de internet não funcionava, a defesa está feita.

Outra coisa é, como saber se outro fornecedor de rede pode fornecer uma boa ligação à internet. Acho que é bastante fácil, pode perguntar a amigos ou pessoas à sua volta em Portugal para as recomendações deles em relação à melhor rede. Esta é a melhor maneira de o fazer, procurar recomendações de pessoas que estejam no mesmo ambiente, pode fazê-lo sob a forma de uma sondagem e escolher o fornecedor de rede que tenha o maior número de recomendações  para a sua localização.  

Partilhar esta página

Precisa de saber mais sobre este assunto?

Contacte-nos!

Pergunte à Miss Legal uma questão em privado

Comente este artigo